segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Desculpas

Gente, foi mal. Acabei não postando nada, ando correndo pacas. O qu eme acontreceu de bom é que profetizei tanto que meu ano seria próspero que o universo tem conspirado a meu favor.
Juro que vou arrumar temponho e conto tudo.
Estou feliz.
Atitude, minha fofa, não fique ansiosa, é só coisinha do dia-a-dia, mas que me faz diferença. E FELICIDADES!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Hoje me aconteceu muita coisa boa. Amanhã, com mais calma, posto tudinho.
Beijinhos

domingo, 20 de fevereiro de 2011

(Des)Serviço

Já contei que minha irmã está grávida.
Ela vem passando mal desde quinta-feira, primeiro com dores abdominais, depois com vômitos e diarréia. Initerruptos. Hoje fomos com ela ao hospital, a Santa Casa de Misericórdia. Foi pelo plano de saúde que a prefeitura de Vitória oferece, descontando do mísero salário de professora dela.
A gente sabe que a coisa mais difícil atualmente é ter um atendimento digno, pago ou não. Pois o que aconteceu conosco hoje foi de revoltar.
A Santa Casa é arcaica. Confesso que não sei de quando data, mas é um prédio antiguíssimo. Corredores estreitos, antigos, mal iluminados e mal-ventilados o suficiente prá você querer sair de lá depois de cinco minutos.
Na recepção da área privada ninguém informa que existe um elevador, que eu ainda não descobri onde fica. Minha irmã e eu subimos uma escadaria enoooorme, de metal, dauqelas antigas, cheia de arabescos, mas que perdeu há muito beleza e funcionaldade. Os degraus rangem a ponto de dar medo. E o pré-parto, onde se atendem gestantes fica no topo desta escadaria. Lá vou eu com minha irmã, subindo devagar. Todas as gestantes, inclusive em trabalho de parto, sobem por ali.
Chegamos ao andar, que estava escuro. As lâmpadas do corredor não acendiam. E o calor! Tocamos o interfone, e esperamos por, no mínimo, uns 10 minutos até alguém vir nos atender. Pediram prá esperar. Esperamos. Com meia hora, tocamos de novo. Uma auxilar de enfermagem colocou a cabeça prá fora da porta e falou: "espera um pouquinho só, já vou te chamar". Isso se repetiu por mais duas vezes. Depois de 45 minutos de nossa chegada, comecei a querer fazer barraco. Bati na porta, argumentei, um outro senhor que aguardava para a esposa ser atendida também se encheu da espera. Aí é que ajguém veio falar: "estamos com três gestantes em trabalho de parto".  Perguntei com quantas obstetras elas trabalhavam naquela hora e soube que eram duas.
Bom, depois de mais de uma hora de espera, uma médica com cara de quem ainda escuta música da Xuxa veio até nós, com o que eu chamo de "jeito invocado", nariz empinado, batendo boca - profissionalíssima - gritando que a gente não tinha que reclamar de nada, porque ela não podia deixar os bebês nascendo sozinhos. Eu já tinha implorado prá deixassem a gente esperar o atendimento dentro do setor onde era mais fresco e iluminado. Enquanto minha irmã era finalmente atendida, fui falar coa assistente social, igualmente com cara de quem acabou de receber o canudo, que fez aquela cara de "entra por um ouvido e sai pelo outro". Expliquei que era enfermeira, que nunca em nove anos de profissão eu tinha tido a atitude desrespeitosa que presenciei ali. Que nós devíamos ter sido informadas que demoraria, porque o paciente tem o direito de escolher se vai esperar ou vai buscar outra forma de atendimento. Mas ouvimos somente "daqui a pouco". Oras, falei, eu tenho plena capacidade de compreensão e sei que parturientes não devem ficar desassistidas. Mas tínhamos o direito à informação.
Bom, nem preciso falar que o atendimento foi precário. Minha irmã foi medicada com dipirona e bromoprida, sem que as causas do mal-estar fossem de fato pesquisadas - os dados como vômitos e diarréia fétidos, hálito fétido por mais de 48 horas foram ignoradas. Ajudei na punção venosa, pois ela estava com princípio de desidratação e as veias estavam difíceis.
Vim embora ficar com meu filho enquanto mei cunhado acompanhava minha irmã. Depois meus pais foram buscá-la e fiquei sabendo que sequer alta a tal "médica" foi dar. O soro acabou, mas ninguém foi lá retirá-lo. Minha irmã puxou o cateter ela mesma antes que o ar entrasse pelo equipo.
Me chamem de idealista. Me chamem de sonhadora. Eu não trato paciente assim. Eu não consigo entender como eles não se incomodam com a situação.
Acho vergonhoso. Eu teria vergonha. Eu me incomodo com paciente esperando, embora saiba que a demora ocorre. Eu me incomodo com uma pessoa passando dor na minha frente. Eu me incomodo com gente em pé no corredor esperando, sem conforto.
Eu sei que eu não posso abraçar o mundo, e não peço que ninguém o faça. Mas a nossa parte, essa nos cabe, dessa não podemos fugir.
Não se pode negar que a melhora é nossa responsabilidade!

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Looking back...

 Como eu tô aqui enrolando meus pentelhos prá ver se o tempo passa mais rápido (mas garantindo meus dinheiros no fim do mês), resolvi dar uma voltinha no passado. tentrei no túnel do tempo e fui ler meus primeiros posts, de 2009, quando criei o Pérolas.
Ri das histórias, lembrei algumas, outras nem faço mais idéia... Ou faço, mas agora não me vem nada na cabeça.
O fato é que reparei que eu era mais alegre. Os posts eram mais alegres. Bem-humorados.
Daí que "antes de mais nada, fica estabelecido que ninguém vai tirar meu bom humor" Fernando Sabino


Passa tempo...


É assim que estou no trabalho... Tô incomodada!

Desse jeito...

O calor na capital capixaba...

Autosacode

Tô trabalhando hoje. Plantão o dia inteiro. Bom, prá me consolar, chove desde a madrugada. Deve ter sido praga minha, porque eu queria ir à praia, mas vim trabalhar. Mua-ha-ha!
Na verdade eu tô aqui porque eu quero. Não é obrigação trabalhar aos sábados na unidade de saúde. Mas é grana no bolso. Então eu venho, né, que eu sou bobinha mas nem tanto.
Caraca, eu ando cansada pacas. Eu tô mega cansada. Por isso sumi do blog.
E também porque andei revendo uns conceitos. Sim, passou da hora prá quem está na minha situação.
Ontem procurei uma colega médica que atua no programa de saúde mental. Ela é clínica geral, mas treinada prá dar suporte ao psiquiatra. Daí fui lá e despejei tudo. Falei da minha ansiedade - patologia esta que carrego desde sempre e nunca quis tratar por confiar tão somente no meu autocontrole - e também da minha tristeza que não tem fim, mas a felicidade sim.
O negócio todo é que EU SEI que eu tenho que mudar um monte de coisas, mas eu ando muito bem sentada na minha zona de conforto. Porém, como isto tem me feito muitíssimo mal, resolvi me sacudir.
Minha saúde anda uma bosta. Sim, a enfermeira que vos escreve não tem se cuidado. Estou obesa (coisa que nunca fui), estou hipertensa (cruzes!) e tenho até medo de verificar minha glicemia.
Só que meu maior dificultador é minha ansiedade. Eu fico ansiosa por causa de tudo. E por nada também, e eu desconto é na geladeira mesmo. E eu gosto de tomar cerveja pra caramba também. E aí o resultado idsso é que hoje, por exemplo, estou com a pressão alta, com a visão turva e cefaléia, e estou aqui trabalhando. Olho pro paciente na minha frente: "doutoura (eles chamam todo mundo que usa branco de doutor #não gosto#) eu tenho pressão alta...". Eu mando fazer dieta. Mas porra, EU não faço dieta! Eu como sal feito um boi, eu tomo barris de chopp e eu não caminho no calçadão de Camburi, que fica a 5 minutos do meu prédio!
Ah, peralá!
Como é que eu vou ensinar prás pessoas algo que eu não faço prá mim?
Tá, voltando: conversei uma hora com a colega médica, que, claro, me passou um sabão, mas também me passou medicação. Ansiolítico leve, o mais recentemente lançado. Já li a respeito e sei que é bom. E eu vou usar ajuda medicamentosa sim. Eu tenho que chegar aos 40 com alguma qualidade de vida, senão vou pro saco mais cedo.
Ontem desci com Filhote e tomei, em 4 horas, 4 latas de cerveja, ou seja, nada comparado ao que tenho costume, e nada que mataria um ser humano normal. às 4:10h da madrugada, fui acordada por uma dor de cabeça alucinante. O lado do rosto que repousava sobre o travesseiro doía como se tivesse sido surrado. Gemi prá levantar. Tomei 2 comprimidos marronzinhos e voltei prá cama. Levantei com uma dor mais suave, uma hora e meia depois. Agora há pouco tomei outro efervescente prá dor.
Putaquepariu! Minha pressão está lá em cima.
Eu me cansei!
Porra, minha vida tá uma bosta porque eu não me sacudo, cara! Daí eu fico mal porque não estou bem. Daí eu como porque estou mal. Daí fico mal porque comi.
Vamos quebrar o ciclo...
Se tem problemas, trate de resolvê-los. É isso que farei. Eu não vou ficar criando úlcera. E não vou me empaturrar de comida porque estou frustrada.
Oi?! Ninguém pode fazer por mim. EU é que tenho que tomar minhas providências.
E eu não vou fazer promessa de nada. Isso é coisa de político. Eu vou fazer e pronto.
O PMZ será retomado sim, mas sem alarde. Já me consultei com a nutricionista que trabalha aqui na unidade (sim, vejam só, tenho acesso a isso e nunca usei!), meu cardápio está montado e a partir desta semana - hahaha, vou começar numa segunda feira - os hábitos serão modificados. E serão mesmo.
E a porra da cabeça dói...
A pérola da semana é essa: a enfermeira Lô está doente porque não aplica em si os cuidados que aplica nos outros.
E sabe o que mais? Eu to muito afim de causar, porque estou com tédio de ser invisível. Sim, essas coisas também fazem falta uma uma mulher, e eu estou com muita vontade de ser notada. E eu tô muito com vontade de devolver uns tocos que andei levando. Porra, adoro vingança, que escorpiano não gosta?
E eu quero voltar a brincar com meu filho, porque a gente anda numa química muito louca, numa união que não existia antes. Levamos três anos prá construir isso. Os primeiros três anos de distância estão ficando na poeira. Então, daqui prá frente, somos nós dois, e eu tenho que estar bem prá ele também.
E tenho dito.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

O Dente!

 Hoje Filhote perdeu o primeiro dentinho! Ai, que fofo! Essa foto não é dele, porque quando fui ligar a máquina, vi que estava sem pilhas (coloquei prá carregar), mas foi exatamente o mesmo dente que ele perdeu, o de baixo. Sem muito drama, quem praticamente tirou o dente foi ele mesmo. Meu pai deu o puxão final.
Super me emocionei, porque, como eu já tinha comentado aqui, eu não vi o primeiro dente dele nascer, estava longe.
Bom, agora só falta o resto da boca!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Eita!

Ocupadíssima que só, nem prá postar tenho tido tempo. Depois me viro prpá colocar em dia as novidades (se eu lembrar, porque já sofro de Alzheimer desde que nasci, nunca lembro de nada...)
Hahaha, beijinhos!

domingo, 6 de fevereiro de 2011

The End

Bem disse Marcelitcho que merda, quanto mais se mexe, mais fede. Amanhã, coom calma, posto o fim da novela do Pianista.
Boa noite!

sábado, 5 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Meu irmão me ligou chamando pro aniversário de uma amiga nossa numa boate aqui perto de casa. Não gosto de boates, mas até iria pela pessoa, e também porque era convite vip. Só que a Dona aqui está com crise de gastrite. Muita dor. Muita azia, refluxo. Deu até enxaqueca. Então, cama e repouso, café da manha light amanhã e oração prá melhorar. Credo, parece até uruca! Sai!

*****

Então, novela Professor: ontem foi o primeiro dia de aula do Filhote na nova escola. Ele será aluno do Professor. Não porque eu quisesse, acho que já expliquei aqui que perdi a vaga dele no SESI e só consegui uma na bendita escola onde a peça trabalha. Pois eis que ontem, quando eu saí da sala do meu filho, descendo a escada, eis que a peça se encontra no meio do caminho, mas não me viu. Toquei em seu ombro e falei: "com licença, professor". Ele só viu quem era depois que passei, sem olhar prá trás. Pegou meu braço, "Lô, espera". Nessa hora, providencialmente, uma mãe chegou falando freneticamente dos três filhos dela que são alunos dele e eu saí dando "tchau". Hoje ele tornou a me mandar recadinhos como os de sempre. Respondi secamente, exigi que tratasse meu filho muito bem e que me deixasse em paz. O ano vai ser longo...

*****

Ai, me desculpem, mas que inutilidade esse BBB, hein?! Tô aqui teclando, liguei a tv, e putz! Mudei de canal, que ninguém merece esse troço não! Gosto não!

*****

Boa noite!
Tô no serviço, fazendo hora prá bater meu cartão e vazar. Posso estar sem grana, mas juro que me viro e saio hoje. Preciso. Aliás, preciso de sair, preciso de sexo, preciso de grana... A lista é longa.
Depois posto decentemente, pois não vai dar tempo de escrever tudo, e pelas metades eu não gosto de nada. Aliás, estou cansada de receber metades.
Ai, tô de saco cheio hoje!

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Janaína

 Hoje é dia de Iemanjá. Salve! Que a Rainha do Mar nos proteja.
Peço por todos, mas também por mim e pelos meus.
Eu não posso deixar de observar que hoje amanheci com uma baita sensação de poder. Sei lá se foi o tarja preta que tomei ontem e acabei perdendo minha hora, mas de fato me sinto bem, autoconfiança renovada, uma sensação boa.
Sei lá, tem dias que está tudo tão bem, né? Talvez seja compensação por ontem, quando tivemos uma agressão de uma paciente a uma funccionária, o que motivou seu pedido de transferência. Era uma das melhores na unidade, e fooi tudo muito traumático, com polícia e tudo o mais. Bom, mas passa, né? Passou, e hoje o dia amanheceu melhor.
Mas eu não posso deixar de registrar que eu fico muito puta com isso. Trabalhamos com poucos recursos, recebemos salários defasados, desestimulados. Não é justo sermos tratados, e aceitar como normal essas sacanagens.
Gente, muito axé prá todo mundo!