segunda-feira, 25 de abril de 2011

Continuando o caso...

Bom, eis que mandei e-mail malcriado prá todo mundo da pós. Diretor, coordenadora, todo mundo. E claro, prá querida professora também.
Hoje recebi um e-mail curioso. O diretor do curso escreveu uma resposta, defendendo a professora, falando que eu estava fora dos prazos, blábláblá
Saca só:

Está havendo algum problema de comunicação. Sua tarefa da profa. Débora não foi postada (1ª tarefa do Módulo II). Basta abrir o Moodle e você mesma poderá constatar que a tarefa não está lá. O feedback que a profa. Débora deu foi exatamente cobrando a tarefa e dando mais um prazo para postagem, iniciativa tomada por ela própria, já que, pelas normas do curso, isso não seria possível.
Se você enviou a tarefa diretamente para o e-mail da profa. Débora, até a data que ela estipulou, não haveria motivo para que ela não avaliasse. Por isso, estou passando esta mensagem com cópia para ela, com a solicitação de que avalie a tarefa, conforme ela propôs ou explique se está havendo alguma outra dificuldade.
Somente um detalhe: esse problema aconteceu no ano passado e já estamos quase em maio de 1911 (cara, sei lá de onde ele tirou essa data, mas tudo bem). Os problemas precisam ser encaminhados imediatamente após seu acontecimento, para que possamos equacioná-los em tempo hábil.
Loredana, depois de gastar bastante tempo para toda esta argumentação, verifiquei que sua nota está postada. Você obteve nota 7,0, que é uma excelente nota, uma vez que a profa. Débora estabeleceu nota máxima 8,0 para quem não havia postado a tarefa dentro do prazo.

Mas aí o figuraça me escreveu uma...

Ignorem tudo isso que escrevi. Deixei para mostrar o tempo que perdi inutilmente. A tarefa foi postada, foi avaliada e atribuída nota 7,0. Se foi reenviada para o e-mail particular da profa. Débora, não posso saber. Se ela reavaliou a tarefa, também, não tenho como saber. Acho que, a estas alturas, é melhor deixar como está. As notas são boas, a estudante está aprovada e não vale à pena gastar energia por tão pouco.



Paz, amor e felicidade para todos.

Sim!!! Ele me atacou, recuou e disse que era prá eu esquecer, deixar prá lá, coisa e tal!

Meu cu!!!

Deixo não, quero não, posso não, dileto professor. Na malcriação, chapei a resposta:

Caro professor,

Como eu mesma disse, não contestarei minha nota caso seja esse o peso da realização da tarefa. E me surpreende um educador como o senhor usar argumento tal como "a nota é boa, você está aprovada", pois é a primeira vez, em minha vida, que me deparo com um professor me dizendo que tenho que me contentar com a média. Sempre fui estimulada a querer mais!

Bom, enfim. Se a nota é esta, que seja. O que eu contesto, de fato, é levar a culpa por algo que não fiz. Não admito ser chamada de irresponsável ou relapsa. Mesmo com sua constatação de que eu enviei sim minha tarefa no prazo, gostaria muito de poder provar que estou correta. Já não me importa mais a nota. Me importa é que alguém errou, esse alguém não fui eu, mas a culpa foi depositada em mim! Eu não sou nem um pouco chegada a injustiças.

E se aguardei até agora para reclamar, foi porque quis esperar até o final do módulo na esperança que a professora pudesse estar atarefada demais, por isso minha nota poderia ter sido deixada para depois. Mas esta não foi a primeira vez que questiionei sobre minha nota. Não mesmo.

E gostaria também de conversar com o senhor, o mais breve possível, para que, justamente, meu orientador seja mudado. Não conseguirei mais trabalhar com a professora Débora. Esta será a única tarefa que farei fora do prazo, uma vez que o senhor já anunciou que o tempo para requisitar troca de orientadores expirou. Se o senhor mesmo quiser me orientar, para mim será uma honra. (na boa? ele é exigente ao extremo, ao ponto de ser chato, mas é referência no estado).

Espero muitíssimo poder contar com a sua compreensão.

Grata, Loredana.

P.S.: Sua esposa encontrou a loja de roupas em Jardim da Penha, com as batas coloridas? (é que o figura um dia me viu com uma bata beeeeem colorida, e comentou que sua esposa adorava roupas do estilo, daí, na boa vontade, dei o nome da loja aqui no bairro).

Tá, me chamem de exagerada, digam que minha TPM está descompensada, dane-se. Eu vou espernear até cansar e provar por A+B (embora A+B não prove nada, rsrs) que eu estou certa.

E tenho dito!

3 comentários:

  1. Bravo, Loredana! ADOREI SUA RESPOSTA!!!

    ResponderExcluir
  2. Belo trabalho do diretor, cagando pro próprio curso... palhaçada! Bate o pé, Lô!

    ResponderExcluir

abriram a concha: